Entre Cônjuges


Prossiga amando e respeitando os pais, depois da formação da própria casa, compreendendo, porém, que isso traz novas responsabilidades para o exercício das quais é imperioso cultivar independência, mas, a pretexto de liberdade, não relegar os pais ao abandono.

Não deprecie os ideais e preocupações do outro.

Selecione as relações.

Respeite as amizades do companheiro ou da companheira.

É preciso reconhecer a diversidade dos gostos e vocações daquele ou daquela que se toma para  compartilhar-nos a vida.

Antes de observar os possíveis erros ou defeitos do outros, vale mais procurar-lhe as qualidades e dotes superiores para estimulá-los ao desenvolvimento justo.

Jamais desprezar a importância das relações sexuais com respeito à fidelidade nos compromissos assumidos.

Não deixe de estudar e aprimorar-se constantemente, sob desculpa de haver deixado a condição de solteiro ou de solteira.

Sempre necessário compreender que a comunhão afetiva no lar deve recomeçar, todos os dias, a fim de consolidar-se em clima de harmonia e segurança.

André Luiz - Sinal Verde - Francisco Cândido Xavier

2 comentários:

  1. Gi, o texto de André Luiz nos coloca um tema muito importante.
    Todo relacionamento humano tem sua importância e nos aprimora de uma determinada forma. Em especial, o relacionamento entre cônjuges é uma escola maravilhosa, que nos leva a exercitar tanto...a boa vontade,paciência, aceitação, dedicação, Amor que são tão necessários a cada dia, para sua construção.
    Beijos amiga...
    Valéria

    ResponderExcluir
  2. Hj postei sobre a amizade....é a base fundamental pra toda e qqr relação....André Luiz..são fantásticos seus pensamentos e textos q nos fazem refletir profundamente.
    bjss e bom domingo pra ti.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar. É uma enorme alegria tê-lo aqui! Abraço!